NÓTICIAS
voltar
Faixa de pedestre termina em muro de mais de um metro de altura, em Vitória
Publicado em 22/08/2017 10:36

Uma faixa de pedestre localizada na Avenida Maruípe, em Vitória, termina em um muro de mais de um metro de altura e tem gerado reclamação por parte de quem precisa passar pelo local. Sem alternativa, os pedestres se arriscam andando na lateral da pista, próximos aos carros.

Em resposta, a prefeitura disse que a obra para resolver a situação é mais complexa e que não há previsão para o início de uma intervenção no local.

No local onde está a faixa, a calçada não é nivelada com a pista. Ao terminar de atravessar, o pedestre precisa dar a volta na esquina, passando pelo asfalto, para continuar seguindo de forma segura.

“Não tem outra opção, não tem jeito. Quando a gente vem, tem que passar pela rua, pra depois passar pela faixa”, disse o barbeiro Felipe Machado.

O problema é ainda maior para quem tem dificuldade para se locomover. “Eu tenho que dar a volta pela beira da pista e corro o risco de acabar sendo pego por um carro e isso não só pra mim, para cadeirantes e deficientes. Eu passo uma pequena dificuldade, imagina eles”.

O pastor Enoque mora perto da calçada e conta que os donos de mais de dez imóveis da mesma quadra não conseguem fazer a calçada cidadã.

“Já tentaram, mas nós temos ainda manilhamento antigo de esgoto que passa debaixo da calçada. Quando fizeram a macrodrenagem aqui, essa situação não foi resolvida. Existe muita pedra aqui também. Tem que haver uma obra maior, a prefeitura já olhou, e constatou que precisa de um trabalho maior”, disse Enoque.

A secretária de Desenvolvimento de Vitória, Lenise Loureiro, explicou que os donos do imóvel não podem resolver o problema sozinhos. Mas não deu um prazo para que a prefeitura comece a intervenção.

“Já temos estudos desenvolvidos para que possa ser feita uma intervenção maior, com quebra de rochas, deslocamento de rede de drenagem e de esgoto. É um projeto de intervenção mais caro. Não podemos dar uma previsão de início de obra, mas temos estudo em andamento”, explicou.